close
Contas do PSB de 2014 para presidente da República são aprovadas com ressalvas
Notícias do TSE

Contas do PSB de 2014 para presidente da República são aprovadas com ressalvas

Sessão plenária jurisdicional do TSE

Irregularidades atingiram 3,8% da movimentação dos recursos da legenda durante a campanha

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiram, nesta quinta-feira (17), aprovar com ressalvas a prestação de contas do Diretório Nacional e do Comitê Financeiro Nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB) relativa à campanha para presidente da República em 2014. O Plenário verificou que as irregularidades identificadas nas contas alcançaram R$ 4.115.249, 22, o que corresponde a 3,8% do total de R$ 108.224.931,99 movimentados pelo partido na campanha. Segundo o Tribunal, o percentual apurado das impropriedades não é motivo suficiente para desaprovar a prestação julgada, diante dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade. 

Desse modo, a Corte acompanhou, por unanimidade, o voto do relator do processo, ministro Luís Roberto Barroso, pelo acolhimento das contas com ressalvas. O ministro apontou, porém, as seguintes falhas, constatadas pela Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Asepa) do TSE, capazes de comprometer a regularidade, a consistência e a confiabilidade da prestação: ausência de trânsito prévio de recursos pelas contas de campanha; despesas realizadas após as eleições; omissão de despesas a partir de confronto com informações externas; incompatibilidade entre valores recebidos e transferidos; extrato bancário não apresentado na forma definitiva das movimentações financeiras realizadas e falta de comprovação de receitas estimáveis.

Outras impropriedades destacadas pelo relator foram: omissão de despesas, existência de contrato com valor superior ao pagamento efetivamente comprovado, apresentação de nota fiscal que não traz o total dos valores repassados, pagamento duplicado de despesa sem que tenha sido demonstrada a devolução dos valores, e divergências entre prestadores de contas e na identificação de fornecedores.           

Barroso também listou as falhas formais verificadas pelo órgão técnico do Tribunal que não comprometem no mérito a análise das contas nem a sua regularidade. Entre elas, estão a entrega da prestação de contas final fora do prazo; omissões de itens nas prestações de contas parciais, que foram regularizados na prestação final – no valor de R$ 32,9 milhões; doações ordinárias que foram informadas como eleitorais, na ordem de R$ 3,4 milhões; e inconsistências nos registros de despesas no sistema, entre outros pontos.  

Veja mais

Powered by WPeMatico


COMMENTS ARE OFF THIS POST